Publicado em 02/01/2017 às 19h22.

#Adeus2016

A síntese de um ano dominado pela expansão dos mecanismos rápidos de comunicação e por #hashtags

Marcos Sampaio
Foto: Marcelo Gandra/ Agecom
Foto: Marcelo Gandra/ Agecom

 

Com a proliferação de mecanismos rápidos de comunicação, reforçamos a ideia de apresentar toda nossa troca de informações com simples fotos, quase que sem legendas – embora com hashtags –, ou simples frases curtas, quase manchetes, por vezes acompanhadas de emoticons.

Em 2016 ficou claro que era essa a nova maneira de bater papo, longe de análises profundas, sofisticadas, sensíveis e complexas. Nada de mimimi, basta um “blz”, “tks”, “#tbt” e tantos outros.

Assim, para não cansar o leitor, resolvi resumir minha visão de 2016 com palavras curtas, em uma síntese propositadamente misturada do que foi esse estranho ano.

Olimpíada, a judoca Rafaela Silva, Usain Bolt, Lochtegate. Michael Phelps. Desabamento de ciclovia. Medalha de ouro no futebol. Três Isaquias Queiroz.

Impeachment. Lava Jato, Sérgio Moro, fora, Eduardo Cunha, Dilma, Renan Calheiros, Temer. Lula. Golpe. Aquarius. PIB, desemprego, crise, reforma da previdência, PEC 55. Panama Papers, Congresso, Delação Premiada. Odebrecht. República de Curitiba, STF, Carmen Lúcia, Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes. Ministério Público.

Cuba. Fidel, Francisco, Obama. Atentados na Turquia, Vladimir Putin poderoso. Estado Islâmico. Boate em Orlando. Bruxelas. Nice. Embaixador russo morto. Estupro coletivo no Rio. Furacão Matthew. Refugiados.

Ajuste fiscal, antipolítica, acordo de leniência. Eleição, ficha limpa, limite de gasto. Bob Dylan, David Bowie, George Michael, Ariana Grande, Drake, Rihanna, Bruno Mars, Gilberto Gil, partiu fds. Safadão. Marília Mendonça. Ferreira Gullar, Hector Babenco, Muhammad Ali, Prince.

Somos todos Chape. Lamia. Pane Seca. Colômbia. Club Atlético Nacional. Palmeiras. Bahia. Vitória. Flamengo. Santos. Grêmio. Neymar. Gabriel. Di Marinho.

Zika. Microcefalia. Aborto.

Marcelos Crivella e Calero, Geddel. João Doria. ACM Neto. Rui Costa. Aécio, Geraldo Alckmin. Serra. Garotinho, teatro de revista. Sérgio Cabral preso. Ostentação. Zelotes. Crise dos Estados. Delcídio preso e cassado. Pacote Anticorrupção.

Pokémon Go. Pós-verdade. Ondas gravitacionais. Enem. Ocupação de escolas. Secundaristas. Manifestações de rua. Camisas amarelas da CBF. Seleção brasileira. Movimentos sociais.

Instagram, Facebook, Youtubers. Netflix, Uber, AirBnb, Economia compartilhada. Carros elétricos e autônomos. Iphone7, Galaxy Note 7 pegando fogo. Marco Civil da Internet.

Xi Jinping igual a Mao Tsé-Tung. Brexit, Trump, Hilary. Terrorismo, Síria, atentado. Ataque em Berlin. Federal Reserve. Alepo.

Multas de trânsito mais caras. Superlua. Vaquejadas proibidas. Whatsapp bloqueado. Telegram. Energia renovável.

E o ano ainda foi bissexto.
Agora é 2017.

 

Marcos Sampaio

Marcos Sampaio é advogado, procurador do Estado da Bahia, professor da Faculdade Bahiana de Direito e da Faculdade de Direito da Unifacs.