Publicado em 27/01/2016 às 09h38.

Carnaval terá 47 portais com detector de metal e proteção à mulher

Novidade este ano é a atuação do Batalhão de Proteção ao Turista (Beptur) e da Ronda Maria da Penha, que vai combater crimes contra as mulheres durante a festa

Evilasio Junior / Rodrigo Aguiar
Ronda Maria da Penha é uma das novidades da PM no Carnaval de Salvador 2016 | Foto: Mateus Pereira/GOVBA
Ronda Maria da Penha é uma das novidades da PM no Carnaval de Salvador 2016 | Foto: Mateus Pereira/GOVBA

 

O Carnaval de Salvador, que será iniciado na próxima quarta-feira (3), contará com 236 câmeras de vigilância e 47 portais de segurança espalhados pelos três circuitos oficiais (Campo Grande, Barra/Ondina e Pelourinho). Nos locais, o ingresso dos foliões será realizado após passagem por detectores de metal e, em caso de necessidade, será acessado o banco de dados criminais da Secretaria de Segurança Pública. O objetivo é impedir a entrada de pessoas com drogas, armas brancas e de fogo e deter fugitivos da Justiça. “Nos anos anteriores, eram cinco ou seis portais. Este ano serão 47. Em alguns pontos, esses portais funcionarão 24 horas”, assinalou o comandante-geral da Polícia Militar, coronel Anselmo Brandão, ao pontuar que 1.533 PMs irão atuar nos espaços.

A operação foi detalhada na manhã desta quinta (27), no Hotel Fiesta, no bairro do Itaigara, pela cúpula da SSP. De acordo com o planejamento, 26 mil agentes, entre militares, civis, bombeiros e da Polícia Técnica, farão a proteção do cidadão entre a abertura (3) e o encerramento do evento, na terça-feira (9). Além de percorrer as ruas, os profissionais estarão instalados em 65 unidades na capital baiana: 14 integradas (PM, PC e DPT), 21 exclusivamente da PM, 17 da Civil, nove do Corpo de Bombeiros e quatro do Departamento de Polícia Técnica.

Seiscentos policiais também farão o monitoramento da entrega dos abadás a partir deste domingo (31) nas vias públicas e nos acessos aos shoppings da Bahia, Bela Vista e Paralela, além do Parque Atlântico (antigo Aeroclube) e sede do Ilê Aiyê, com o apoio do Esquadrão de Motociclistas Águia, Polícia Montada e Companhia Independente de Policiamento Tático (CIPT)/Rondesp.

Foto: Rodrigo Aguiar/bahia.ba
Foto: Rodrigo Aguiar/bahia.ba

 

Uma novidade este ano é a atuação do Batalhão de Proteção ao Turista (Beptur), para dar apoio e acompanhar situações que envolvam visitantes durante a festa, e da Ronda Maria da Penha, que vai combater crimes contra as mulheres. Também haverá oito policiais bilíngues distribuídos pelas rotas momescas, sendo seis deles nos postos da PM, e dois em apoio a viaturas, cujo idioma será identificado por um bracelete com a bandeira do país.

Ao todo, o investimento é R$ 42,9 milhões entre equipamentos, tecnologia, montagem dos postos, pagamento de horas extras e alimentação. Além de Salvador, 30 cidades do interior, a exemplo de Barreiras, Vitória da Conquista, Ilhéus e Porto Seguro, terão o policiamento reforçado no período.

Lanche estragado – O coronel Anselmo Brandão falou ainda sobre as denúncias recorrentes de lanches estragados fornecidos à tropa, como na última Lavagem do Bonfim, no início do mês, e garantiu que, no Carnaval, o problema não se repetirá. “Estamos montando kits com produtos industrializados, para que não haja suposições de contaminação. Tínhamos problemas com frutas e este ano elas serão desidratadas”, pontuou.