Publicado em 15/04/2019 às 11h11.

Tinoco: ‘Não temos como projetar efeitos negativos da crise da Avianca em Salvador’

"Estamos aqui com um escritório de crise, junto com a Vinci, o governo do estado e com o trade", afirmou o secretário de Tursimo

Matheus Morais / Rayllanna Lima
Foto: Rayllanna Lima/ bahia.ba
Foto: Rayllanna Lima/bahia.ba

 

O secretário de Cultura e Turismo de Salvador, Claudio Tinoco, avaliou em entrevista ao bahia.ba, na manhã desta segunda-feira (15), os efeitos dos cancelamentos dos voos da companhia aérea Avianca na procura pela capital baiana como destino turístico.

Para ele, trata-se de uma situação “imponderável”.

“A gente não tem como projetar os efeitos negativos com a crise da Avianca. Se não houver uma recuperação e êxitos, não só na parte de aquisições dos ativos da Avianca, bem como das companhias aéreas que mostraram interesse no leilão, que deve ocorrer este mês ainda. Se esses resultados da aquisição desses ativos forem exitosos, como essas companhias aéreas que adquiram, venham a se comportar em relação ao Nordeste e à Bahia. É um passo de cada vez. É claro que a gente está monitorando isso com a ANAC. Estamos aqui com um escritório de crise, junto com a Vinci, o governo do Estado e com o trade”, afirmou Tinoco.

“A crise vai sim impactar no feriado. Outras pessoas estão optando por outros destinos. É claro que no médio e longo prazo estamos agindo. Neste momento, não temos muito o que fazer com a Avianca”, completou.