Publicado em 12/08/2017 às 12h40.

Abdelmassih perde prisão domiciliar e vai a hospital penitenciário

O ex-médico, condenado por abusar sexualmente de pacientes, usa tornozeleira eletrônica, mas o sistema tem apresentado problemas

Redação

Foi revogada pela Justiça, nesta sexta-feira (11), a prisão domiciliar do ex-médico Roger Abdelmassih, que havia conseguido há cerca de um mês o direito de cumprir a pena de 181 anos no apartamento onde vivem sua mulher e filhos no Jardim Paulistano, bairro nobre de São Paulo.

Na decisão, a juíza da 1ª Vara de Execuções Criminais de Taubaté Sueli Zeraik de Oliveira Armani afirmou que Abdelmassih será encaminhado ao Centro Hospitalar do Sistema Penitenciário, no bairro Carandiru, para continuar o tratamento médico. Ele está internado desde segunda-feira (7) no hospital Albert Einstein por causa de uma superbactéria.

Abdelmassih será encaminhado à Penitenciária de Tremembé assim que receber alta médica, segundo decisão judicial. A determinação é reflexo do rompimento da gestão Geraldo Alckmin (PSDB) com a empresa responsável pelo monitoramento de quase 7.000 presos por meio de tornozeleira eletrônica. A decisão de rescindir o contrato com a Synergye Tecnologia foi tomada, segundo o governo, após uma série de ocorrências de mau funcionamento do serviço.

O ex-médico é um dos raros presos, talvez o único no estado de São Paulo, que cumpre pena domiciliar com uso de tornozeleira eletrônica. Falhas na emissão de sinal da tornozeleira de Abdelmassih foram registradas desde que ele voltou para casa, após passar cerca de três anos em regime fechado na Penitenciária de Tremembé.