Publicado em 12/03/2018 às 15h07.

Correios: greve de funcionários é ‘injustificada e ilegal’

Por meio de nota, a estatal também acusou os trabalhadores de não informarem o motivo real da paralisação

Redação
Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ ABr
Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ ABr

 

A direção dos Correios afirmou que a greve dos funcionários, iniciada nesta segunda-feira (12), é “injustificada e ilegal”.

Por meio de nota, a estatal também acusou os trabalhadores de não informarem a razão real da paralisação.

“Com o objetivo de ganhar a opinião pública, as representações dos trabalhadores divulgaram uma extensa pauta de reivindicações que nada têm a ver com o verdadeiro motivo da paralisação de hoje: a mudança na forma de custeio do plano de saúde da categoria”, disse a empresa.

“Mesmo reconhecendo que a greve é um direito do trabalhador, a empresa entende o movimento atual como injustificado e ilegal, pois não houve descumprimento de qualquer cláusula do acordo coletivo de trabalho da categoria”, acrescentou a estatal.

De acordo com a direção dos Correios, atualmente os custos do plano de saúde dos trabalhadores representam 10% do faturamento da empresa, ou seja, uma despesa da ordem de R$ 1,8 bilhão anuais.

A greve atinge os estados do Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Paraná, Rio Grande do Norte, Rondônia, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo (regiões de Campinas, Ribeirão Preto, São José dos Campos, Santos e Vale do Paraíba), além do Distrito Federal, conforme balanço da Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares (Fentect).