Publicado em 17/03/2018 às 11h00.

Escândalo milionário pode levar prefeito de Palmas ao impeachment

Recursos desviados do Previpalmas, deveriam ser utilizados para iniciar as obras do Cais Mauá em Porto Alegre

Redação
Reprodução: Divulgação
Reprodução: Divulgação

 

O escândalo do desvio de aproximadamente R$ 50 milhões dos cofres do Instituto de Previdência Social do Município de Palmas- Tocantins – Previpalmas, pode levar o prefeito de Palmas, Carlos Amashta (PSB-TO), ao impeachment.

Com a ajuda da diretoria do Previpalmas, o Ministério Público Federal (MPF) e a Polícia Federal (PF), estão rastreando um forte esquema de corrupção que teve início com a denuncia do site site Quidnovi.com.br.

O Tribunal de Contas do Estado de Tocantins (TC-TO), Ministério Público Federal (MFP), e a Comissão de Valores Mobiliários (CVM), vem abastecendo as investigações da Polícia Federal, que busca responsabilizar gestoras de recursos, corretoras de valores e intermediários que facilitaram o desvio de recursos e descumpriram diversas normas legais.

A PF já levantou que 30 milhões de reais foram aplicados na mesma gestora que desviou mais de 400 milhões do IGEPREV-TO em operações usando o Grupo Porcão de Churrascarias – ICLA Trust (ex NSG). Para o roubo milionário, foram usadas notas fiscais de serviços não prestados.

Os recursos desviados do Previpalmas, deveriam ser utilizados para iniciar as obras do Cais Mauá em Porto Alegre e desapareceram do caixa da empresa detentora da concessão do porto, gerida pelo Fundo de Investimento Cais Mauá.

O presidente do Previpalmas, Maxcilane Machado Fleury foi exonerado pelo prefeito Carlos Amashta, mas a exoneração, não evitou que fosse rastreado pela PF todos os gastos de Fleury durante sua gestão. De acordo com o site Quidnovi, o ex-presidente teria viajado a Porto Alegre e se hospedado em Hotéis de luxo, custeados pela ICLA Trust e pela Reag, que teria assumido a gestão do fundo após o escândalo.

Além de Maxclilane Machado e Carlos Amashta, a PF investiga os passos do filho do prefeito, que viajou para o Rio logo após a aplicação.