Publicado em 12/03/2018 às 16h00.

Presidente do BNDES diz que existe “propensão à corrupção” no Brasil

Rabello explicou que o próprio BNDES recebe várias denúncias sobre a atuação no banco, via ouvidoria

Redação
Foto: Wilson Dias/Agência Brasil
Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

 

O presidente do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Paulo Rabello de Castro, falou nesta segunda-feira (12) que a “propensão à corrupção” é uma “chaga brasileira”, durante a abertura do evento Ouvidoria 3.0.

Rabello explicou que o próprio BNDES recebe várias denúncias sobre a atuação no banco, via ouvidoria.

“As denúncias têm grau de apuração extremamente elevado. O BNDES se orgulha de processar respostas em, no máximo, três dias úteis, quando, na lei, temos até 10 dias. No campo das denúncias, temos tido um sucesso bastante grande na elucidação de vários casos”, disse.

Segundo ele, graças à ouvidoria, o BNDES descobriu, por exemplo, que havia uma pessoa no Maranhão que se apresentava como intermediária para facilitar a negociação de financiamento de empresários com o banco.

“Nosso objetivo é nos tornar fáceis e acessíveis, o máximo que possamos, para que os interessados tenham possibilidade de dialogar com o banco e obter algum tipo de colaboração financeira, independentemente de qualquer tipo de intermediação”, explicou.