Publicado em 10/07/2018 às 18h20.

Starbucks promete acabar com o canudo de plástico em todas as lojas

No Brasil, a vontade de dar fim aos objetos está sendo concretizada no Rio de Janeiro, que já aprovou lei município proibindo a utilização do acessório em bares, restaurantes e quiosques

Redação
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

 

A guerra contra o uso dos conhecidos canudinhos de plástico ganhou mais um capítulo. A multinacional Starbucks anunciou que pretende banir o acessório em todas as 28 mil lojas no mundo até 2020.

Uma medida semelhante foi anunciada recentemente no Rio de Janeiro, com a aprovação de uma lei municipal sancionada na última quinta-feira (5), que proíbe o canudo de plástico em bares, restaurantes e quiosques, permitindo apenas acessórios feitos de papel reciclável. A multa pode variar entre R$ 3 mil e R$ 6 mil.

Um canudo de plástico leva cerca de 200 anos para se decompor e uma boa parte desse material acaba indo para os mares e, além da poluição, causa a morte de várias espécies. Entre as opções que surgiram até agora estão a que usa papel, vidro, aço e bambu no lugar da matéria-prima obtida do petróleo.

A decisão da Starbucks foi tomada pelo CEO Kevin Johnson depois que a cidade de Seattle, nos Estados Unidos, sede da companhia, aprovou uma lei, em vigor desde 1º de julho, que proíbe o uso desse e de outros materiais plásticos em restaurantes.

No caso da Starbucks, a estimativa é de que cerca de 1 bilhão de canudos deixem de ser descartados no lixo. No Brasil, a marca é operada desde março pela SouthRock e conta com 113 lojas.

Para chegar a essa meta, a Starbucks, de acordo com o Correio Brasiliense, desenvolveu e já começou a usar uma tampa nos copos de bebidas geladas de café e chá que dispensa o uso dos canudos. Até agora, cerca de 8 mil lojas nos Estados Unidos e no Canadá aderiram à novidade.

Em um segundo momento, passaram a fazer parte do programa as lojas do continente europeu. A companhia também começou a fazer testes em outros mercados – China, Japão, Cingapura, Tailândia e Vietnã. Além disso, serão oferecidos aos clientes que não dispensam o uso do acessório opções feitas com papel e de plástico biodegradável.

No mar – No mês passado, outra multinacional anunciou que vai abandonar os canudinhos plásticos. A frota de 50 navios da norueguesa Royal Caribbean deixará de ter essa opção até 2019, com a adoção apenas de modelos feitos de papel. Desde o ano passado, os acessórios deixaram de ser oferecidos espontaneamente nos cruzeiros, o que é feito apenas quando o passageiro solicita.

A companhia planeja ainda reduzir o uso de outros plásticos de uso único, como embalagens de tempero, xícaras e sacolas, até 2020. Também faz parte do plano da Royal Caribbean substituir a matéria-prima dos mexedores de café, que serão de madeira, e os feitos para drinques, produzidos a partir do bambu.

O McDonald’s também anunciou no mês passado que pretende tirar de circulação de suas lojas do Reino Unido a opção feita com plástico. Assim, a rede de lanchonetes se junta a outras empresas daquele país que se comprometeram com o governo a reduzir o consumo dessa matéria-prima nos próximos sete anos.