Publicado em 02/03/2019 às 14h43.

‘Infeliz coincidência’, diz Kannário sobre nome de facção em fantasia

Cantor nega que o uso da frase "Comando da Paz" na roupa usada em desfile nesta sexta-feira (1°) na Barra, tenha sido uma referência à organização criminosa

Luiz Felipe Fernandez
Foto: Reprodução/Twitter
Foto: Reprodução/Twitter

 

Depois de causar polêmica com a fantasia escolhida para comandar a pipoca na Barra-Ondina, Igor Kannário negou que o uso do nome da facção, “Comando da Paz”, tenha sido uma referência proposital à organização criminosa.

“Infeliz coincidência”, diz o cantor, por meio de nota enviada pela sua assessoria ao bahia.ba. De acordo com o texto, a opção pelas palavras se referem apenas ao intuito de “pregar a paz entre o povo e homenagear a Polícia Militar”.

Ao longo do circuito, o pagodeiro fez pedidos de “paz”, criticou “baderneiros” e chamou a PM para intervir em brigas. Segundo a nota, o “objetivo do cantor” é levar “alegria” aos foliões.

Na próxima segunda-feira (4), o Príncipe do Gueto arrasta a multidão de “kannarianos” no Campo Grande, no Circuito Osmar, a partir das 14h30.

Veja texto na íntegra:

Com o intuito de pregar a paz entre o povo e homenagear a polícia militar, o cantor Igor Kannário trajou uma roupa com a frase “Comando da Paz” durante sua apresentação na noite de ontem, circuito Barra-Ondina. Frase esta que causou dúvidas a respeito de uma suposta apologia à facção criminosa Comando da Paz.

Esclarecemos diante disso, que foi uma infeliz coincidência e que nada tem a ver o nome da sua roupa com a facção. Ressaltamos que o objetivo do cantor é trazer alegria para o folião e promover a paz entre todos os presentes no Carnaval de Salvador.

Assim sendo, o cantor volta a animar a pipoca nesta segunda (04), às 14h30, no Circuito Grande.