Publicado em 06/03/2019 às 12h11.

Saldo positivo: SSP não registra mortes nos circuitos oficiais da folia

Em coletiva realizada na manhã desta quarta-feira (6), o secretário de Segurança Pública da Bahia fez uma avaliação positiva da festa

Redação
Foto: Matheus Morais/ bahia.ba
Foto: Matheus Morais/ bahia.ba

 

O secretário de Segurança Pública da Bahia, Maurício Barbosa, faz uma avaliação positiva do Carnaval de 2019. Em coletiva realizada nesta quarta-feira (6), no Hotel da Bahia, o secretário que apresentou os dados da folia momesca.

No total 38,2 mil pessoas foram abordadas pela polícia. A secretaria aponta uma redução de 15,4% no número de roubo a ônibus no período do Carnaval em relação ao ano passado.

“Esse ano a gente entrou com um uso muito forte da tecnologia. Tivemos o uso do reconhecimento facial, dos 42 portais, 12 tiveram o reconhecimento. Tivemos os drones que também tinha capacidade de fazer a leitura facial lá de cima. Tivemos o empregos de novas unidades da Polícia Civil, como as DEAMs e as Delegacias especializadas de atendimento ao racismo e a intolerância racial e religiosa”.

Neste ano nenhuma morte foi registrada nos circuitos oficiais da festa, porém o número de roubos teve um aumento em comparação a 2018, indo de 108 para 121. O número de furtos também subiu de 656 para 891.

“Nós sempre lidamos com a proporcionalidade no número de pessoas e o número de ocorrências. Tivemos um aumento de 20 casos de lesões corporais mais graves, três situações pontuais onde tiveram disparo de arma de fogo e essas pessoas foram presas”, afirmou o secretário.

Durante a coletiva o secretário ainda pontuou a necessidade de fiscalização mais intensa nos ambulantes do circuito. “Observamos uma tentativa de burlar os portais de abordagem, fazendo a entrada de uma arma de fogo dentro de um isopor de bebida, o que nos alertou para a necessidade de uma fiscalização maior dos ambulantes, junto com a Prefeitura de Salvador. É um alerta. Teremos muitas coisas para serem adaptadas para o Carnaval de 2020, tendo em vista que Salvador e a Bahia como um todo tem recebido um número maior de pessoas.

Entre as mudanças, o secretário exalta a necessidade de isolar ainda mais os circuitos da folia para evitar os crimes contra o patrimônio e contra a vida, que neste ano registrou 117 casos de lesão corporal leve e 12 de lesão corporal grave.

PUBLICIDADE