Publicado em 18/08/2017 às 21h40.

Spotify remove bandas racistas e com discurso de ódio do catálogo

37 bandas foram excluídas do streaming; manifestações nazistas motivaram a ação da empresa

Redação
Foto: Ted S. Warren / AP
Foto: Ted S. Warren / AP

 

As manifestações neonazistas que aconteceram no último final de semana em Charlottesville, nos Estados Unidos, colocaram em pauta uma polêmica discussão sobre racismo na mídia.

Nesta quinta-feira (17), o streaming de música Spotify assumiu uma posição no debate, e decidiu remover de seu catálogo todos os artistas considerados racistas e que traziam em suas canções discursos de ódio.

“Estamos felizes que nos alertaram sobre esse conteúdo – e já removemos muitas das bandas identificadas hoje, enquanto estamos revisando urgentemente o restante dos artistas”, disse um porta-voz do Spotify à revista Billboard, numa declaração de não ter conhecimento de que tal conteúdo era transmitido.

37 bandas foram excluídas da relação de grupos transmitidos pelo streaming, entre elas estão Ad Hominem, Freikorps e Geimhre.