Publicado em 23/05/2016 às 18h20.

‘Rombo’ do país pode chegar a R$ 300 bilhões, diz deputado

Benito Gama (PTB) diz que déficit deixado por Dilma supera o orçamento de todos os estados do NE e avalia que pode chegar a quase o dobro do esperado

Redação
Deputado Benito Gama (PTB/BA) considera grave a situação da saúde financeira do país (Foto:Antonio Augusto/Câmara dos Deputados
Deputado Benito Gama (PTB/BA) considera grave a situação da saúde financeira do país (Foto:Antonio Augusto/Câmara dos Deputados

 

Diante do déficit fiscal do governo federal, superior a R$ 170 bilhões, o deputado federal Benito Gama (PTB-BA), que é economista, considera fundamental que a população tenha noção da dimensão do buraco deixado pela presidente afastada Dilma Rousseff (PT). Segundo o parlamentar, para se ter a ideia do tamanho do caos financeiro do país, levantamento comparativo dos orçamentos de todos os estados do Nordeste juntos soma R$ 163 bilhões, enquanto o déficit deixado pela petista está acima do valor. “Isso nunca existiu nas contas públicas do Brasil!”, avaliou Benito Gama.

De acordo com a avaliação do petebista, o “rombo” pode chegar a R$ 300 bilhões. “O governo Dilma comprometeu a saúde financeira do país com um déficit dessa dimensão. E, o que é pior, é não se sabe para onde foi esse dinheiro”, critica Benito Gama.

O estudo da real situação financeira do Brasil começou a ser feito pela equipe econômica do presidente interino Michel Temer (PMDB), que tem a tarefa de colocar as contas em dia. O deputado baiano entende que é necessário saber a dimensão real e a profundidade da situação deixada pelo governo Dilma, que gerou tantos complicadores econômicos.

Para o parlamentar, “o quadro é da maior gravidade. A indústria está quase parada, o desemprego é crescente e o comércio fechando as portas. O objetivo é trabalhar de forma incansável, para tentar reverter a situação e retomar o crescimento do país”.

Meta fiscal – A votação da nova meta fiscal do governo está prevista para acontecer nesta terça-feira (24), em sessão conjunta do Congresso Nacional.

Também nesta terça a comissão do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff no Senado Federal vai apresentar o plano de trabalho com a coleta de provas e audiências. “Essa é a segunda fase do processo que definirá, por voto, se as investigações vão durar menos de 180 dias, prazo máximo de afastamento da Dilma”, explicou o deputado.

Mais notícias