Publicado em 09/11/2015 às 09h13.

Dólar sobe com dados da China e EUA no radar

A cotação do dólar na manhã desta segunda-feira teve alta de 0,84%.

Agência Estado

O dólar sobe nesta segunda-feira, 9, ante o real, em um sinal de cautela do investidor com o resultado das importações da China e ainda reagindo à maior expectativa de alta dos juros nos Estados Unidos neste ano.

No exterior, a moeda americana também se valoriza em relação ao iene e a algumas moedas emergentes e de países exportadores de commodities. O movimento, entretanto, é o oposto em relação ao euro e à libra, que se beneficiam de uma realização de lucros com o dólar, que ganhou muita força com a divulgação do relatório de empregos na sexta-feira, 6, nos EUA. O relatório reforçou as apostas de agentes de que o Federal Reserve irá aumentar os juros na reunião de dezembro.

A valorização do dólar ante o real no mercado à vista nesse início de sessão também pode ser, em parte, explicada pela depreciação da moeda na tarde da sexta-feira por um fluxo cambial positivo surpreendente. Naquela sessão, o dólar à vista encerrou cotado a R$ 3,7595. Mas o dólar dezembro terminou a R$ 3,80.

Às 9h28 (horário de Brasília), o dólar à vista estava cotado a R$ 3,7915 (+0,84%). Já o contrato para dezembro estava em alta mais modesta (+0,43%) e cotado a R$ 3,8165.

Na manhã desta segunda-feira, os agentes econômicos repercutem nos preços a queda importante nas importações da China. Em dólares, as compras do gigante asiático recuaram 18,8% em outubro deste ano ante igual mês do ano anterior, após uma queda de 20,4% em setembro na comparação anual.

A queda de outubro também foi maior do que as previsões, que indicavam retração de 15%. O superávit comercial chinês aumentou para US$ 61,64 bilhões, ante US$ 60,3 bilhões em setembro, ficando abaixo da média das estimativas, que era de US$ 62,2 bilhões.

 

Temas: China , dólar , real