Publicado em 13/01/2018 às 19h00.

‘Será difícil aprovar a Previdência em ano eleitoral’, diz especialista

Para a diretora-executiva da agência Standard & Poor’s (S&P), Lisa Schineller, as condições de crédito soberano do Brasil estão mais fracas

Redação
Foto: Luis Macedo / Câmara dos Deputados
Foto: Luis Macedo / Câmara dos Deputados

 

A diretora-executiva da agência Standard & Poor’s (S&P), Lisa Schineller, em entrevista ao Estadão/Broadcast, afirmou que as condições gerais de crédito soberano do Brasil estão mais fracas e apontam que a trajetória das contas públicas é a principal fraqueza do País, o que vai requerer vários governos para alterá-la.

“Não dizemos que não ocorrerão reformas, mas certamente não esperamos a rápida velocidade de reformas, pelo tamanho dos desafios fiscais. Em relação à eleição, é óbvio que é muito prematuro avaliar. Mas surgem incertezas com a clara frustração de eleitores com partidos e políticos, o que eleva de certa forma as perspectivas para o surgimento de outsiders. Não dizemos que outsiders não podem propor políticas articuladas e com foco, mas destacamos que será difícil para um outsider administrar uma grande coalizão de partidos”, afirmou.

Segundo ela, a redução da nota soberana do País, anunciada na quinta-feira (11), não foi provocada exclusivamente pela não aprovação da reforma da Previdência Social pelo Congresso, mas mais pelo padrão adotado sobretudo pela classe política de não se unir para combater problemas estruturais vitais na área fiscal.