Publicado em 16/10/2018 às 13h00.

‘Ele soa como nós’, diz ex-líder do Ku Klux Klan sobre Bolsonaro

Antigo membro do grupo racista americano, David Duke afirmou que presidenciável do PSL é "nacionalista" e "candidato muito forte", de acordo com matéria da BBC

Redação
Foto: Reprodução/Twitter
Foto: Reprodução/Twitter

 

Um dos nomes mais conhecidos o grupo racista Ku Kux Klan (KKK), David Duke comentou sobre a política brasileira durante programa de rádio que comanda nos Estados Unidos. De acordo com reportagem da BBC, o historiador, defensor da supremacia branca, teceu elogios ao presidenciável do PSL, Jair Bolsonaro.

“Ele soa como nós. E também é um candidato muito forte. É um nacionalista”, disse o antigo líder da KKK.

“Ele é totalmente um descendente europeu. Ele se parece com qualquer homem branco nos EUA, em Portugal, Espanha ou Alemanha e França. E ele está falando sobre o desastre demográfico que existe no Brasil e a enorme criminalidade que existe ali, como por exemplo nos bairros negros do Rio de Janeiro”, continuou. David Durke nega a existência do Holocausto e frequentemente classifica o vencedor do prêmio Nobel da Paz, Nelson Mandela, como “terrorista”.

Com ideiais anticatólicos, xenofóbicos e racistas, o Ku Klux Klan também se caracterizou pelo antissemitismo. Inclusive, a aproximação de Bolsonaro com Israel foi criticada por Durke e comparada com a do presidente norte-americano, Donald Trump.

Na última segunda-feira (15), Duke compartilhou um vídeo com legendas em inglês de discurso de Bolsonaro “contra a degradação da família” e a “desconstrução da heteronormatividade”. Na publicação sobre o programa de rádio em seu site pessoal, Durke se refere ao capitão como “o incrível Bolsonaro” e disse que ele faz parte de “movimentos nacionalistas” que estão “varrendo o planeta”.

“A verdade é que os movimentos nacionalistas, que são basicamente pró-europeus, estão definitivamente varrendo o planeta. Mesmo em um país que você jamais imaginaria”, afirmou em referência à ascensão do postulante ao Palácio do Planalto.

Mais notícias