Publicado em 16/05/2019 às 13h00.

‘Delinquente travestido de colunista’, diz advogado de Olavo sobre Caetano Veloso

Considerado guru de Jair Bolsonaro, escritor registrou uma queixa-crime contra o artista, por artigo publicado na Folha de S. Paulo em 2018

Redação
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

 

Escritor e autointitulado filósofo, Olavo de Carvalho prestou uma queixa-crime contra Caetano Veloso, por um artigo publicado pelo músico em 2018, na Folha de S. Paulo. Francisco Carlos Cabrera, advogado de Olavo que assina a petição, se refere ao baiano como “canalha” e “delinquente travestido de colunista”.

A queixa acusa Caetano Veloso de calúnia, difamação e injúria. No artigo, o compositor critica um post de Olavo, feito antes do segundo turno das eleições presidenciais. Na publicação, Olavo diz que em caso de vitória de Bolsonaro, aconteceria a “total destruição” de “milhares de carreiras e biografias de políticos, intelectuais e artistas de esquerda”.

“Olavo de Carvalho sugere em texto que, caso Bolsonaro se eleja, imediatamente à sua posse seus opositores sejam não apenas derrotados mas totalmente destruídos enquanto grupos, organizações e até indivíduos”, diz trecho do artigo de Caetano. Na queixa-crime, o escritor nega que tenha pregado a morte de qualquer pessoa, e que na verdade queria dizer que a vida dos artistas ficaria mais difícil, “sem a mamata das leis de incentivos”.

Em outro ponto, Caetano diz no artigo que a postagem de Olavo tem um tom autoritário, e que o filósofo seria um “sub-Heidegger do nosso sub-Hitler”, em alusão a Jair Bolsonaro, fã declarado do escritor.

“Caetano acusa por linhas transversas Olavo e Bolsonaro de serem nazistas, pois os compara com Hitler e seus comparsas. Caetano é um delinquente e terá que provar suas acusações, ou o zeloso poder Judiciário estará sendo raso com quem lhe ataca”, argumenta Cabrera.