Publicado em 17/10/2018 às 08h43.

‘Escuta as Minas’: Elza Soares se reúne com cantoras em hino feminista

Karol Conká, Maiara e Maraísa e Lahn Lahn são algumas das artistas que compõem o projeto do Spotify, que reúne de trechos de músicas de várias épocas; ouça aqui!

Redação
Foto: Reprodução/YouTube
Foto: Reprodução/YouTube

 

A cantora Elza Soares encabeça mais um projeto em sua gloriosa carreira. Ao lado de Karol Conká, Maiara e Maraísa, Lahn Lahn, Martnália, o grupo As Bahias e a Cozinha Mineira e o Mulamba, gravaram música e clipe para o “Escuta as Minas”, iniciativa da plataforma de streaming Spotify, que resultou em uma playlist especial, um site e um documentário.

A canção, que destaca a luta feminina para conquistar espaço na sociedade, reúne trechos de músicas famosas em várias épocas. Sáo elas “Ô Abre Alas” (1899), de Chiquinha Gonzaga, “Reposta” (1970), de Maysa, “Relicário” (1995), escrita por Nando Reis e sucesso na voz de Cássia Eller, “O Que Se Cala” (2018), letra de Douglas Germano cantada por Elza Soares ,”A Culpa é Dele” (2018), de Marília Mendonça cantada em parceria com a dupla Maiara e Maraisa, “Mulamba” (2017), da banda que leva o mesmo nome, e “Bate a Poeira” (2013), de Karol Conká.

As intérpretes das músicas também foram homenageadas. Chiquinha Gonzaga é representada pelas vocalistas de As Bahias e As Cozinhas Mineiras, Assucena Assucena e Raquel Virgínia. A cantora Tiê, que interpreta Maysa no clipe, fala sobre a avó, a atriz Vida Alves, chamada de puta ao protagonizar o primeiro beijo na TV:

“Fui criada com ideais feministas, mas não se falava claramente sobre isso. Hoje digo para as minhas filhas que somos sim feministas”, conta a cantora em entrevista ao Uol.

O manifesto “Escuta As Minas”, “evoca as pioneiras” para abrir espaço para a “nova geração”. Elza Soares, que transita por anos nesta linha do tempo, não foge da luta ao afirmar que é “feminista” desde que nasceu.

“A luta para ser ouvida não é algo do nosso tempo. Estamos contando nossas revoluções há séculos. Algumas enfrentaram a resistência e abriram espaço. O movimento cresceu. É hora de evocar as pioneiras e inspirar uma nova geração”, destaca o texto do manifesto, que pode ser conferido na íntegra, junto com o clipe e o documentário, na plataforma de streaming e no site do projeto: www.escutaasminas.com.br.

Ouça aqui: