Publicado em 10/10/2018 às 16h20.

Lady Gaga escreve artigo emocionante sobre saúde mental e suicídio

No texto, a cantora pede que hajam mais serviços de saúde mental em todo o mundo.

Luiza Lopes
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

 
Lady Gaga surpreendeu os fãs ao compartilhar um artigo, em parceria com o Dr. Tedros Adhanom para o The Guardian, onde ela escfreve sobre a necessidade urgente de falar sobre suicídio. No texto, a cantora pede que hajam mais serviços de saúde mental em todo o mundo.

“Quando você terminar de ler isso, pelo menos seis pessoas terão se matado ao redor do mundo” disse a cantora.

“Esses seis são uma pequena fração das 800 mil pessoas que se matarão neste ano – mais do que a população de Washington DC, Oslo ou Cidade do Cabo.”
“Às vezes, são nomes famosos como Anthony Bourdain ou Kate Spade que fazem manchetes, mas são todos filhos ou filhas, amigos ou colegas, membros valiosos de famílias e comunidades.”afirmou a voz de Poker Face.

“Lutamos para falar sobre isso abertamente ou para oferecer cuidados ou recursos adequados. Dentro das famílias e comunidades, muitas vezes permanecemos silenciados por uma vergonha que nos diz que aqueles com doença mental são de alguma forma menos”, continuou.

“Em vez de tratar aqueles que enfrentam problemas de saúde mental com a compaixão que ofereceríamos a alguém com uma lesão física ou doença, nós ostracizamos, culpamos e condenamos. Em muitos lugares, os serviços de apoio são inexistentes e aqueles com condições tratáveis ​​são criminalizados – literalmente acorrentados em condições desumanas, isolados do resto da sociedade sem esperança”.

E, no fim, ela acrescentou: “Não podemos mais nos permitir sermos silenciados pelo estigma ou frustrados por ideias mal orientadas que retratam essas condições como uma questão de fraqueza ou falha moral.”

Vale lembrar que Gaga já foi sincera sobre suas batalhas de saúde mental no passado. No início deste ano, ela teve que cancelar as datas restantes em sua turnê mundial, Joanne, devido a sua batalha contínua com a fibromialgia. Em 2016, ela também escreveu uma carta aberta emocional que abordou diretamente suas batalhas com estresse pós-traumático.