Publicado em 13/03/2018 às 10h13.

‘Pedi para não brigarem nas gravações’, conta diretor de A Luta do Século

Documentário mostra ascensão e queda de Holyfield e Todo Duro, uma das maiores rivalidades do boxe no Brasil

Bianca Andrade
Reprodução: Divulgação
Reprodução: Divulgação

 

Imagine Lázaro Ramos na pele de Reginaldo Holyfield e Wagner Moura como Luciano Todo Duro. Falando assim parece até um reencontro entre Roque e Boca nas ruas do Pelourinho, uma espécie de continuação do Ó Pai Ó, mas essa era a ideia inicial para o documentário ‘A Luta do Século’, que teve a pré-estreia em Salvador na noite desta segunda-feira (12) no Shopping da Bahia.

O longa tinha tudo para ser um filme de ficção, mas uma conversa de Sérgio Machado com os atores e alguns meses de pesquisa mudou o rumo da história e transformou o filme em um documentário que mostra a ascensão e a queda de dois ídolos do boxe nordestino, revelou o diretor em entrevista ao bahia.ba.

“Eu encontrei com o Lázaro e o Wagner e tinha mais ou menos 10 anos que a gente tinha feito o ‘Cidade Baixa’ e nós queríamos fazer um novo projeto juntos, foram surgindo as ideias e em algum momento o Lázaro falou ‘Eu queria fazer o Holyfield no cinema’, e o Wagner ‘Então eu faço o Todo Duro’. Foi uma ideia que surgiu e eu comecei a pesquisar, fui achando a história interessante e pensei em transformar o filme em um pequeno documentário, mas acabou ficando tão legal que eu desisti da ficção e decidi apostar nisso”, contou Machado.

Do sucesso à lama

Contada de forma cronológica através dos 7 confrontos dos boxeadores nos ringues, a história de Holyfield e Todo Duro tem algo em comum, a ascensão e a queda, quase que simultânea dos astros do esporte que foram obrigados a deixar os grandes espaços para se apresentar em casas noturnas.

“A história que me interessava era entender um pouco do Brasil através deles. Como é que dois caras com tanto talento, com histórias parecidas, negros, analfabetos, nordestinos, que saíram da pobreza extrema graças ao seu talento e ao seu esforço, chegaram quase ao estrelato, mas alguma coisa os puxaram para a miséria de onde eles saíram, eu queria entender isso. Que País perverso que faz isso com seus ídolos?”, disse o diretor.

De volta aos holofotes

Holyfield e Todo Duro não se intimidaram com os flashes nem o assédio do público que lotou a sala 5 do cinema UCI para acompanhar a pré-estreia do documentário. “Olha, é o cara do filme”, apontou uma criança quando avistou Holyfield em uma entrevista. “Todo Duro, você broca”, disse um rapaz após pedir uma foto ao pernambucano.

Quem esperava um confronto entre os dois durante a exibição do filme ficou apenas com as provocações entre os boxeadores, que atravessavam as sete cadeiras que os separavam na sala do cinema. “Vou te matar Negão”, “Ele ficou com raiva porque eu peguei a mulher dele”, gritava Todo Duro de um lado, enquanto Holyfield ganhava o apoio dos espectadores em sua ameaça: “Eu vou te esbagaçar Todo Duro”.

Rivais dentro e fora da tela?

Apesar dos desentendimentos, Luciano Todo Duro garante que toda rivalidade entre os dois ficou apenas no ringue. “A briga entre eu e Negão é uma coisa de criança sabe? Começou por causa de mulher, mas a gente luta dentro do ringue, não luta na rua não”, brincou o lutador. “Hoje eu sou um homem de família, religioso, não vou brigar, sou de Deus, não gosto dessas coisas não”, disse Holyfield sobre a rivalidade com Todo Duro.

Sérgio Machado conta que precisou entrar em um acordo com os boxeadores para que não houvesse nenhuma briga durante as gravações. “Eu pedi para eles não brigarem durante as filmagens, o Luciano me prometeu que não daria a primeira porrada e eles cumpriram… Mas só até aqui, nessa última semana do lançamento eles já brigaram e todo dia tem uma confusão”.

Em meio as provocações, Holyfield aposta em uma virada no placar de 4 a 3 dominado por Luciano e convida o rival para uma última luta. “A revanche vai ser aqui em Salvador, eu vou te esbagaçar!”, disse o lutador. E aí Todo Duro, topa cair pra mão aqui na Bahia?

O documentário ‘A Luta do Século’ é uma produção da Lata Filmes, Mar Filmes, Mar Grande Produções, Muiraquitã Filmes e Ondina Filmes. A coprodução é do Canal Brasil e Vitrine Filmes é a distribuidora. O filme foi feito com recursos do Governo do Estado via Fundo de Cultura da Bahia, da Rio Filme e da Secretaria de Cultura de São Paulo e tem estreia nacional no próximo dia 15 de março.