Publicado em 06/07/2019 às 11h00.

‘A primeira vez com um negão não dói’, diz promotor a defensora em Feira de Santana

Em nota, a Coletiva Mulheres Defensoras Públicas do Brasil classificou a fala como uma “manifestação de machismo institucional dentro do Judiciário"

Redação
tribunal do juri feira de santana foto aldo matos acorda cidade
Foto: Aldo Matos / Acorda Cidade

 

Em nota, a Coletiva Mulheres Defensoras Públicas do Brasil repudiou uma fala do promotor de Justiça Ariomar José Figueiredo da Silva, dirigida à defensora pública Fernanda Morais, durante sessão do Tribunal do Júri realizada em Feira de Santana.

Em seu Twitter, a defensora escreveu: “Eis o que aconteceu: ao ser saudada pelo promotor de justiça, ele me pediu calma, “porque a primeira vez com um negão não dói”. Eu não vou admitir esse tipo de situação. Eu estava no exercício das minhas funções. Isso precisa acabar!”.

Para o grupo, a atitude do promotor é uma “manifestação de machismo institucional dentro do Judiciário”.

“A explícita conotação sexual da fala do promotor não é apenas inadequada ao ambiente em que fora proferida. Ela configura, mais do que isso, uma violenta manifestação de machismo institucional arraigado dentro do sistema de Justiça, que submete historicamente mulheres ao lugar de objetos sexuais e sexualizados, deslegitimando-as como profissionais nas relações estabelecidas neste sistema . A conduta do promotor, ao comparar a atuação das duas instituições em plenário a uma relação sexual, constrangendo publicamente uma defensora pública no exercício de suas funções, é repugnante e inaceitável”, afirma a nota.

PUBLICIDADE