Publicado em 12/07/2017 às 21h00.

Acusado de assédio, ex-promotor diz que preventiva é ‘desnecessária’

Almiro Sena afirmou ainda que não foi a duas audiências por não ter sido intimado e porque estava de férias

Redação
Foto: Reprodução/G1
Foto: Reprodução/G1

 

Acusado de assédio sexual e moral quando era titular da Secretaria de Justiça, Cidadania e Direitos Humanos (STJDD), em 2014, o ex-promotor de Justiça Almiro Sena afirmou, em nota divulgada na tarde desta quarta-feira (12), que a emissão do mandado de prisão preventiva é “desnecessária”.

O pedido foi expedido nesta quarta pelo desembargador Mario Alberto Simões Hirs, do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA). Advogada de defesa das três servidoras que denunciaram Sena, Maria Cristina Carneiro Lima declarou que a solicitação é devido às constantes ausências dele nas audiências.

Os advogados de Almiro, no entanto, alegam que ele não foi a duas audiências por não ter sido intimidado e porque estava de férias.