Publicado em 27/12/2016 às 13h35.

CNJ pode abrir investigação sobre campanha de Eliana Calmon ao Senado

Conselho Nacional de Justiça quer saber se a magistrada aposentada favoreceu os doadores enquanto era ministra

Redação
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

 

A Corregedoria Nacional de Justiça (CNJ) analisa abrir um procedimento para investigar o financiamento da campanha da ex-ministra Eliana Calmon ao Senado por construtoras nas eleições de 2014.

De acordo com o site Consultor Jurídico, o CNJ quer apurar se Eliana Calmon favoreceu os doadores enquanto era ministra. Segundo a prestação de contas da campanha dela à Justiça Eleitoral, a magistrada aposentada recebeu quase R$ 900 mil da OAS e de seu fundador, Carlos Suarez, da Odebrecht, da Andrade Gutierrez e de outras duas empreiteiras.

O corregedor João Otávio de Noronha avalia se houve violação à Lei Orgânica da Magistratura (Loman) ou ao Código de Ética no fato de ela ter recebido dinheiro de empresas constantemente envolvidas em processos judiciais no Superior Tribunal de Justiça (STJ), do qual a ministra fazia parte.