Publicado em 18/09/2017 às 14h40.

Justiça cancela destruição de provas da Castelo de Areia

O ex-ministro da Fazenda Antônio Palocci disse, em negociação de delação premiada, que o ex-presidente do STJ Cesar Asfor Rocha recebeu suborno para barrar a operação

Redação

A destruição de documentos da Operação Castelo de Areia foi cancelada pelo juiz federal Diego Paes Moreira, da 6ª Vara Criminal Federal de São Paulo, informa a Folha.

O cancelamento da inutilização do material foi determinado após a publicação revelar que o ex-ministro da Fazenda Antônio Palocci disse, em negociação do acordo de delação premiada, que o ex-presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Cesar Asfor Rocha recebeu suborno de pelo menos R$ 5 milhões da Camargo Corrêa para barrar a operação.

Asfor Rocha e a construtora negam a prática de qualquer crime. No entendimento de Moreira, o Ministério Público Federal (MPF) poderá reverter as medidas que interromperam a operação e apurar a suposta compra de decisões judiciais, caso a delação do petista seja assinada.

Deflagrada em 2009, a Castelo de Areia poderia ter antecipado a descoberta de crimes apurados na Lava Jato, já que tinha como alvos empreiteiras e políticos suspeitos de corrupção.