Publicado em 21/05/2018 às 17h37.

Recebendo R$ 26 mil de salário, Negromonte completa três meses afastado

Ex-ministro se tornou réu em fevereiro por corrupção passiva e foi afastado da função no TCM

Breno Cunha
Foto: Câmara dos Deputados/Fotos Públicas
Foto: Câmara dos Deputados/Fotos Públicas

 

O ex-ministro Mário Negromonte completa nesta segunda-feira (21) três meses de afastamento do cargo de conselheiro do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM), após ter virado réu por decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) por corrupção passiva.

Nesses três meses de afastamento, Negromonte continua recebendo normalmente seu salário, que gira em torno de R$ 30 mil, apesar de não poder adentrar ao prédio do TCM nem manter contato com servidores ou funcionários da Corte de Contas.

Segundo informações disponibilizadas no site do TCM, além do salário, um conselheiro ainda recebe mais R$ 9 mil de benefícios. Negromonte também foi proibido de utilizar bens e serviços de qualquer natureza do Pleno durante o afastamento.

Enquanto está afastado, o conselheiro está sendo substituído por um servidor de carreira da casa, como acontece quando os membros do Pleno precisam se afastar por outros motivos ou sair de férias.

Segundo a denúncia da PGR, Negromonte acertou o pagamento de propina, no valor de R$ 25 milhões, para beneficiar empresas do setor de rastreamento de veículos. Como é conselheiro do TCM, Negromonte tem foro privilegiado.