Publicado em 17/04/2018 às 08h08.

STF: após puxão de orelha, TJ-RN suspende pagamento retroativo

Cada magistrado poderia embolsar R$ 300 mil de uma só vez, conforme estimativa inicial, mas o presidente do Tribunal garantiu no encontro com Carmén Lúcia que cancelaria a decisão

Redação
Foto: Nelson Júnior/ STF
Foto: Nelson Júnior/ STF

 

O presidente do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte (TJ-RN), Expedito Souza, teve de se explicar para a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Carmen Lúcia, por ter autorizado o pagamento retroativo de 22 anos de licença-prêmio aos magistrados do estado.

Ao lado do corregedor João Otavio Noronha, a chefe do Supremo deu um puxão de orelha no desembargador potiguar em um encontro reservado, durante a reunião nacional dos presidentes dos tribunais de justiça do país, segundo a coluna do Estadão.

De acordo com a publicação, cada magistrado que exerce a atividade desde 1996 poderia embolsar R$ 300 mil de uma só vez, conforme estimativa inicial, mas o presidente do TJ-RN garantiu no encontro com Carmén Lúcia que cancelaria a decisão.

Temas: TJ-RN