Publicado em 25/03/2017 às 07h06.

STJ acata recurso e mulher de Cabral vai para prisão domiciliar

Após ter benefício suspenso por juiz federal, ex-primeira-dama recorreu em instância superior e ganhou direito a ir para casa

Redação
OPERAÇÃO CALICUTE / LAVA JATO
Foto: Reprodução / Rede Globo

 

Pela segunda vez, agora em instância superior, advogada Adriana Ancelmo, mulher do ex-governador Sérgio Cabral, teve convertida em domiciliar a prisão preventiva que cumpre desde dezembro no Complexo de Gericinó, em Bangu, na zona oeste da capital fluminense.

Por intermédio da ministra Maria Tereza de Assis Moura, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) acolheu nesta sexta-feira (24) recurso da defesa e manteve decisão do juiz federal Marcelo Bretas que autorizava a ré a ir para casa. Na última segunda-feira (20), o benefício havia sido suspenso pelo desembargador Abel Gomes, do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF2).

Mas Adriana deve passar este final de semana ainda na cadeia: o processo de soltura só terá início na segunda-feira (27), de acordo com seu advogado, Alexandre Lopes de Oliveira.

Junto com o marido e outros comparsas, a ex-primeira-dama responde por lavagem de dinheiro, associação criminosa e outros crimes em processos decorrentes da Operação Lava Jato. Com informações do G1.