Publicado em 11/07/2018 às 18h33.

Vereador defende Barral e diz que greve é ‘político-partidária’

"Essa greve prejudica os mais de 100 mil alunos da rede municipal. Se há negociações em curso, não tem porque haver greve", diz Paulo Magalhães Jr.

Redação
Foto: assessoria / divulgação
Foto: assessoria / divulgação

 

Presidente da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara Municipal de Salvador, o vereador Paulo Magalhães Jr. (PV) criticou a greve dos professores municipais deflagrada nesta quarta-feira (11).

Para Magalhães, “a paralisação é político-partidária”, já que, segundo ele, as pautas de reivindicações dos grevistas estão em negociação entre o sindicato e a secretaria de educação do município.

“Não existe razão para isso. Essa greve prejudica os mais de 100 mil alunos da rede municipal. Sei da competência e do trabalho do secretário Bruno Barral. Se há negociações em curso, não tem porque haver greve”, afirmou Paulo Jr.