Publicado em 14/06/2018 às 12h40.

Deputada pede que mulheres russas não façam sexo com estrangeiros

Tamara Pletnyova, líder do Comitê para Famílias do Parlamento, quer evitar "filhos mestiços", porque eles "sofrem demais" no seu país

Redação
Foto: divulgação
Foto: divulgação

 

Tamara Pletnyova, deputada líder do Comitê para Famílias do Parlamento da Rússia, fez um apelo inusitado nesta quarta-feira (13). Ela pediu que as mulheres do país não fizessem sexo com estrangeiros que não sejam brancos durante a Copa do Mundo, para evitar o nascimento de crianças mestiças.

À imprensa, a deputada argumentou que filhos mestiços sofrem demais no país:

“É uma coisa se eles são da mesma raça, mas outra bem diferente, se eles são de uma raça diferente. Eu não sou nacionalista, mas mesmo assim sei que as crianças sofrem.As crianças são abandonadas, e é isso, acabam ficando aqui com a mãe”, justificou.

O comentário, de acordo com o G1, foi motivado após ela ser questionada sobre os chamados “filhos da Olimpíada” de Moscou, em 1980. O termo pejorativo é associado aos russos de ascendência africana, latina ou asiática, que sofrem preconceito no país. A frase sugere que estas pessoas nasceram do relacionamento de mulheres russas com estrangeiros nesta época.

A previsão é de que o país receba cerca de 1 milhão de turistas estrangeiros nesta Copa do Mundo. De acordo com relatório divulgado por ONG’s russas, houve um aumento de manifestações racistas nos estádios que sediarão partidas da copa.

Segundo relatório, 19 menções a “macaco” e canções neonazistas foram identificadas nos estádios entre 2017 e 2018. Entre 2016 e 2017, segundo o levantamento, apenas duas menções do tipo haviam sido registradas. O estudo é realizado desde 2012.