Publicado em 09/06/2019 às 15h30.

Em meio à pobreza, casamento infantil cresce no Nepal

Governo promove campanha para erradicar prática até 2030

Redação
Foto: Lauren DeCicca/The New York Times
Foto: Lauren DeCicca/The New York Times

 

Em muitas partes do mundo, a batalha contra o casamento de crianças está sendo ganha. Contudo, o mesmo não ocorre no Nepal, um dos países mais pobre da Ásia meridional.

Segundo novos dados divulgados na sexta (7) pela Unicef, cerca de 765 milhões de pessoas hoje vivas se casaram quando eram crianças. O Nepal tem um dos índices mais altos, segundo a Unicef, apesar de a prática ser tecnicamente ilegal no país desde 1963.

Cerca de 40% das mulheres nepalesas entre 20 e 24 anos se casaram ao completar 18, relatou a Unicef, e o país também tem um número incomumente grande de jovens noivos, um grupo demográfico pouco estudado mas que sofre pressões sociais únicas.

O governo do Nepal está promovendo uma campanha para erradicar essa prática nos próximos anos. Mas os desafios são grandes, de acordo com muitos ativistas.

Nas áreas rurais, dizem eles, algumas autoridades eleitas que se opõem publicamente à prática ainda fazem seus filhos se casarem na adolescência. Os índices de alfabetização são baixos.

As redes sociais e os telefones celulares facilitaram o encontro de possíveis parceiros. E muitos no Nepal veem a prática como razoável, considerando as duras restrições econômicas em suas comunidades.

“É tão difícil mudar o pensamento das pessoas”, disse Ram Bahadur Chand, membro do Conselho de Bem-estar Infantil do Nepal. “Elas não veem que o casamento de crianças destrói seu futuro. É um tipo de violência”. Com informações do The New York Times.

PUBLICIDADE