Publicado em 19/04/2019 às 16h20.

Ex-presidente do Peru deixou carta assumindo ter medo de sofrer injustiça

"Vi outros desfilarem algemados, guardando a sua miserável existência", diz a carta

Redação
Foto: Guadalupe Pardo/Reuters
Foto: Guadalupe Pardo/Reuters

 

O ex-presidente peruano Alan García, que cometeu suicídio na última quarta-feira (17) antes de ser preso, deixou uma carta na qual indicou que tinha medo de sofrer injustiças.

“Vi outros desfilarem algemados, guardando a sua miserável existência, mas Alan García não tem por que sofrer essa injustiça e esse circo, por isso deixo aos meus filhos a dignidade das minhas decisões, aos meus companheiros um sinal de orgulho”, diz a carta.

O documento foi lido por Luciana García Nores, uma das filhas do político, no funeral realizado em Lima, na sede do Partido Aprista Peruano.

García governou o Peru em dois mandatos (1985-1990 e 2006-2011). Segundo ele, adversários políticos “optaram pela estratégia” de denunciá-lo durante mais de 30 anos, mas “jamais encontraram nada”.