Publicado em 15/09/2018 às 19h00.

‘Populismo deve servir às pessoas e não incitar o ódio’, declara Papa Francisco

O pontífice mencionou o modelo cristão de 'populismo' após ser criticado por políticos italianos quando defendeu imigrantes

Redação
Foto: Benhur Arcayan/ Malacañang Photo Bureau/EBC
Foto: Benhur Arcayan/ Malacañang Photo Bureau/EBC

 

Após ser atacado por políticos italianos em decorrência de sua defesa aos imigrantes, o Papa Francisco recomendou um populismo do tipo cristão.

Em uma missa ao ar livre realizada neste sábado (15) com cerca de 100 mil pessoas, o pontífice declarou que “o único populismo possível” é o do modelo cristão, que “ouve e serve ao povo, sem gritar, acusar e incitar brigas”. A declaração ocorreu em Palermo, capital da Sicília.

Centenas de milhares de imigrantes resgatados no mar Mediterrâneo nos últimos anos foram levados para os portos da ilha. Francisco defendeu com firmeza os direitos dos imigrantes.

O novo governo populista da Itália tem tentado desencorajar a chegada de mais imigrantes ao país. O ministro do Interior italiano, Matteo Salvini, insiste que as pessoas que forem resgatadas no mar de barcos de traficantes não terão permissão de entrada na Itália.

Durante a visita à Palermo, para homenagear um padre morto pela máfia por tentar proteger jovens do crime organizado, o papa também se dirigiu aos membros do grupo, pedindo que renunciassem à busca de poder e dinheiro.

“Digo aos mafiosos: mudem, irmãos e irmãs. Parem de pensar em vocês mesmos e no seu dinheiro. Vocês sabem, uma mortalha funeral não tem bolsos. Você não pode levá-lo com vocês”, disse.