Publicado em 10/11/2017 às 19h00.

Presidente filipino diz que matou pessoa quando tinha 16 anos

Desde sua instalação em 2016, o governo de Rodrigo Duterte já matou mais de 4 mil pessoas

Redação
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

 

Rodrigo Duterte, o presidente das Filipinas, afirmou ter matado uma pessoa a facadas em sua adolescência, em um discurso em defesa de sua guerra contra as drogas do Fórum de Cooperação Econômica Ásia-Pacífico (Apec), realizado no Vietnã nesta quinta-feira (9).

“Com 16 anos, matei alguém. Uma pessoa de verdade, em uma briga, a punhaladas. Eu tinha apenas 16 anos. Foi por um simples olhar. Quanto mais agora que sou presidente?”, declarou o presidente, que também alegou ter sido preso várias vezes por se envolver em brigas.

Duterte foi eleito em 2016 após prometer que iria erradicar o narcotráfico no país e eliminar 100 mil supostos traficantes e usuários. Desde sua chegada ao poder, a polícia filipina anunciou ter matado quase 4 mil pessoas. Outras 2.290 foram mortas em casos vinculados a entorpecentes.

Seu governo tem sido polarizante nas Filipinas. Enquanto parte da população se diz satisfeita com o aumento da segurança, seus detratores o acusam de incitar a violência dos policiais. Duterte nega que faz declarações que promovam agressões.

Em sua passagem pelo Fórum da Apec, ele também ameaçou “esbofetear” Agnès Callamard, enviada especial da ONU sobre execuções sumárias ou arbitrárias, e chamou de “filhos da p***” os que criticam sua maneira de erradicar o narcotráfico – entre eles, Barack Obama.