Publicado em 13/11/2017 às 15h00.

Prefeita nega protesto e greve de professores

Ainda de acordo com a nota, o atraso nos salários acontece por conta da "queda na arrecadação e pela crise que assola o país"

Redação

Após a população da Anagé, na Bahia, supostamente espalhar lixo na frente da sede da prefeitura em protesto contra o atraso de salários, a prefeita do município, Elen Zite, negou que a ação tenha sido feita por um grupo.

“A prefeita repudiou um ato de vandalismo praticado por um funcionário da empresa que presta serviço de limpeza na cidade. De acordo com populares o funcionário que dirigia o caminhão da empresa não aparentava sinais de equilíbrio quando cometeu a ato”, diz a nota enviada ao bahia.ba.

Ainda de acordo com o comunicado, o atraso nos salários acontece por conta da “queda na arrecadação e pela crise que assola o país”. “Agora, não podemos aceitar que um cidadão cometa esse tipo de crime contra o patrimônio público. Já entramos com uma representação na justiça para que seja apurado e punido com os rigores da lei”, afirmou Zite.

A empresa que presta serviço à prefeitura repudiou o ato formalmente e prometeu apurar o ocorrido. Os professores do município já receberam os salários e, também segundo a prefeitura, não houve nenhum anúncio de greve da categoria na cidade.