Publicado em 12/07/2018 às 19h03.

Adsumus: TJ-BA nega habeas corpus para empresário do axé

Manoel Andrade, dono do camarote Axezeiro, é acusado de ser o operador de propinas desviadas de contratos para eventos durante gestão de Ricardo Machado

Fernando Valverde
Reprodução
Reprodução

 

Um pedido de habeas corpus feito pela defesa do empresário Manoel Andrade, preso no âmbito da Operação Adsumus, foi negado na tarde desta quinta-feira (12) pelo desembargador Júlio Cezar Travessa, da Primeira Turma da Segunda Câmara Criminal do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA). O pedido havia sido feito sob alegação de que a decisão judicial que teria determinado a prisão de Manoel era “leviana e mentirosa”.

Na decisão, o desembargador afirmou que a prisão foi determinada com base em documentos e ironizou a acusação da defesa. “Se o magistrado e o órgão do Ministério Público tiverem capacidade de engendrar uma trama como essa, eles estão perdendo tempo no Ministério Público e no poder Judiciário, já seria o caso de serem contratados por alguma empresa mundial de cinema para se transformarem em grandes roteiristas”, afirmou.

Barreto, que chegou a ter um habeas corpus concedido e posteriormente revogado, é acusado de ser o operador de propinas desviadas de contratos para eventos e shows de artistas firmados, sem licitação, com a prefeitura de Santo Amaro na gestão do petista Ricardo Machado (2009-2016).