Publicado em 15/12/2017 às 10h00.

Após ‘chamada’, prefeitura conta com faltosos em votação na terça

Líderes do governo queixam-se de que Igor Kannário não atende telefonemas e nem apelos dos vereadores. O único elo do pagodeiro com a Casa seria o vice-prefeito

Alexandre Galvão

 

Foto: Alexandre Galvão / Bahia.ba
Foto: Alexandre Galvão / Bahia.ba

 

Após faltar à votação da quarta-feira (13) e ser um dos motivos para o adiamento da apreciação do projeto do Executivo que altera os Valores Unitários Padrão (VUP), uma das bases para o cálculo do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), o vereador Cezar Leite (PSDB) teve uma conversa com o vice-prefeito e articulador político do governo ACM Neto, Bruno Reis (PMDB).

Segundo interlocutores do peemedebista, Reis reforçou a importância do comprometimento dos vereadores da base com os projetos do Executivo. A conversa, segundo fontes do bahia.ba, foi tranquila, sem tom de cobrança ou ameaças de punição.

Outro que teve um “bate-papo” com o vice-prefeito foi o cantor-vereador Igor Kannário (PHS). O cantor de “Novinha Pode Pá” chegou à Câmara na quarta após o presidente da Casa, Léo Prates (DEM), decidir adiar a votação do projeto.

Líderes do governo queixam-se de que Kannário não atende telefonemas e nem apelos dos vereadores. O único elo do pagodeiro com a Casa seria o vice-prefeito.

 

Foto: Alexandre Galvão / Bahia.ba
Foto: Alexandre Galvão / Bahia.ba

 

Com a perspectiva de aprovar a matéria sem precisar do voto de Moisés Rocha (PT), que aceitou dizer “sim” ao projeto após acordo com o líder da bancada de governo, Henrique Carballal (PV), a bancada do prefeito já reavalia se irá cumprir o acordado com o petista.

Com Carballal, Rocha acertou que os clubes sociais teriam isenção de 90% no IPTU. A proposta contemplaria o clube do Sindicato dos Petroleiros, a quem o petista é ligado.

Barulho nas redes – Vice-líder da oposição, a vereadora Aladilce Souza (PCdoB) comemorou o adiamento da votação, mesmo com a perspectiva de derrota na próxima terça (19). Segundo ela, o tempo será importante para que o grupo mostre, principalmente nas redes sociais, o “absurdo que a gestão propõe”.

“Salvador está vivendo uma distorção enorme com esse IPTU. É quase uma anarquia tributária”, classificou.