Publicado em 18/09/2018 às 14h36.

As pesquisas fluem com a mesma tendência: sempre PT e Bolsonaro

Lula saiu, Bolsonaro subiu, com detalhe que Haddad, o sucessor de Lula, a cada dia vai garimpando e consolidando as intenções de voto petistas

Levi Vasconcelos

Frase da vez

“Antes de mais nada fica estabelecido que ninguém vai tirar meu bom humor”

Fernando Sabino, jornalista e escritor brasileiro (1923-2004)

Foto: reprodução/YouTube
Foto: reprodução/YouTube

 

Pesquisas olhadas em sequência indicam uma tendência lógica. E as da peleja presidencial de 2018 mostram que quase nada mudou do início do ano para cá.

Observe que todas elas sempre apontaram Lula em primeiro e Bolsonaro em segundo, que assumia a ponta quando o petista saia.

Lula saiu, Bolsonaro subiu, com o detalhe que Fernando Haddad, o sucessor de Lula, a cada dia vai garimpando e consolidando as intenções de voto petistas.

As últimas

As duas pesquisas de sexta (XP/Ipespe e Datafolha) mostraram Haddad passando ou bem pertinho de Ciro Gomes. As duas de ontem, a FSB/BTG e a CNT/MDA mostraram que pouco mais de uma semana após o atentado Bolsonaro cresceu e Haddad também.

Na FSB Bolsonaro tem 33, subiu 3, e Haddad pulou de 8 para 15, enquanto Ciro saiu de 12 para 14, mas foi ultrapassado. Na do MDA, em agosto Lula tinha 37,3 contra 18,8 de Bolsonaro, que na de ontem já tem 28,2 contra 17,6 de Haddad, 10,8 de Ciro, 6,1 de Alckmin e 4,1 Marina.

As últimas pesquisas mostraram também que Marina desce a ladeira de vez e também que Alckmin continua emperrado, a 17 dias para a campanha acabar e a 20 das eleições.

Com Alckmin, todos os sinais são de estagnação na faixa dos 6%. Dizem os cientistas políticos que o eleitorado tucano migrou para Bolsonaro. O tucanato admite que o atentado prejudicou.

Levi Vasconcelos

Levi Vasconcelos é jornalista político, diretor de jornalismo do Bahia.ba e colunista de A Tarde.