Publicado em 18/11/2018 às 13h24.

Bolsonaro defende sua futura ministra que deu incentivos fiscais à JBS

"Eu também sou réu no Supremo. Tenho que renunciar? Ela já foi julgada? É apenas um processo representado", disse o presidente eleito neste domingo

Redação
Foto: arquivo pessoal/Bolsonaro/Twitter
Foto: arquivo pessoal/Bolsonaro/Twitter

 

O presidente eleito Jair Bolsonaro disse neste domingo (18) que sua futura ministra da Agricultura, deputada federal Tereza Cristina (DEM-MS), “goza de toda a confiança” de sua equipe.

A deputada teve seu nome citado em delações de executivos da JBS por suposto acordo firmado com a companhia dos irmãos Joesley e Wesley Batista.

“Eu também sou réu no Supremo. Tenho que renunciar? Ela já foi julgada? É apenas um processo representado, [assim] como já fui representado umas 30 vezes na Câmara e não colou nenhuma”, disse Bolsonaro em entrevista coletiva ao deixar a Arena Carioca 1, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, onde acompanhou as finais do evento de Jiu-Jitsu Abu Dhabi Grand Slam Rio.

“Sou um ser humano e posso errar. Se algum ministro tiver uma acusação grave comprovada a gente toma uma providência. No momento ela goza de toda a nossa confiança”, afirmou o presidente eleito.

Tereza Cristina é citada por delatores da JBS em acordo firmado em 2017 sobre incentivos fiscais do governo do Mato Grosso do Sul, de acordo com publicação do jornal Folha de São Paulo.

Os delatores teriam entregado à Justiça documentos com a assinatura da deputada no período em que ela era secretária de Desenvolvimento Agrário e Produção do Mato Grosso do Sul.