Publicado em 24/09/2018 às 14h08.

Bunker de R$ 51 mi: Geddel sai da prisão para acompanhar depoimentos no STF

Ex-ministro estava mais magro e vestia o uniforme branco dos detentos da Papuda, quando foi ao Supremo nesta segunda-feira (24)

Redação
Foto: Valter Campanato/ Agência Brasil
Foto: Valter Campanato/ Agência Brasil

 

 

O ex-ministro Geddel Vieira Lima saiu do Complexo Penitenciário da Papuda, em Brasília (DF), onde está preso há um ano, e foi acompanhado por escolta da Polícia Federal (PF) até o Supremo Tribunal Federal (STF), nesta segunda-feira (24), acompanhar depoimentos de testemunhas na ação penal que investiga o caso do “bunker” onde foram apreendidos R$ 51 milhões, em um apartamento localizado em Salvador.

De acordo com reportagem do Estadão, Geddel estava mais magro e vestia o uniforme branco dos detentos da Papuda. Ele chegou na sala de audiências do STF por volta das 10h, onde ficou por cerca de uma hora.

Ele assistiu a depoimentos de testemunhas chamadas pela defesa do irmão de Geddel, o deputado Lúcio Vieira Lima (MDB-BA), candidato a reeleição, que também responde como réu no processo. A mãe deles, Marluce Vieira Lima, o ex-assessor parlamentar, Job Ribeiro Brandão, e o empresário Luiz Fernando Machado da Costa Filho são os outros réus na ação penal.

Prestaram depoimentos ao juiz Paulo Marcos de Farias os servidores do Senado Thiago Nascimento Castro Silva e Marcos Machado Melo. Eles falaram sobre a tramitação da Medida Provisória 613, que desonerou a cadeia de produção do etanol e acabou beneficiando a Odebrecht. Em delação, o ex-diretor da Odebrecht Cláudio Melo Filho acusou Lúcio de ter solicitado “apoio financeiro” para trabalhar pelos interesses da empreiteira no caso.

“Foi completamente normal. Uma como qualquer outra”, disse Melo sobre a tramitação da medida a jornalistas, logo depois da audiência. O outro servidor da Casa que prestou depoimento, Thiago Nascimento Castro Silva, acompanhou a tramitação da MP 613, conforme a defesa de Lúcio.

Mais notícias