Publicado em 16/10/2018 às 12h06.

Coronel diz que vai defender mais segurança e grana para municípios

Vai para Brasília e diz que quando lá chegar já sabe o que fazer: focar o mandato em duas questões, municipalismo e segurança

Levi Vasconcelos

Frase da vez

“O tempo é o berço da esperança e o túmulo da ambição”

Charles Caleb Colton, escritor inglês (1780-1832)

Foto: Vaner Casaes
Foto: Vaner Casaes

 

Angelo Coronel (PSD) sempre disse que nunca pensou em ser presidente da Assembleia, muito menos senador. Caso não fosse candidato, já estava decidido a pendurar as chuteiras após seis mandatos de deputado estadual, depois de ter iniciado a carreira como prefeito de Coração de Maria, região de Feira de Santana. E no início da campanha brincava:

— Quero ver se o povo vai me mandar para Brasília ou de volta para Coração de Maria.

Vai para Brasília e diz que quando lá chegar já sabe o que fazer: focar o mandato em duas questões, municipalismo e segurança.

Municipalismo

Coronel é direto na questão municipal, segundo ele, a cada dia com mais atribuições e menos dinheiro:

— Não gosto de falar em Pacto Federativo porque ninguém sabe o que é. Mas queremos a redefinição da partilha do bolo tributário. O Congresso vai ter que ter a coragem de atacar. E atacar na fonte. Quando alguém toma uma topada e cai, não procura o governador ou o presidente. Procura é o prefeito.

Coronel diz também ser a favor de um combate ostensivo contra o narcotráfico, segundo ele, razão principal da insegurança pública galopante, como se vê hoje:

— Não entendo como o Brasil, com 17 mil quilômetros de fronteiras terrestre, só monitora 4% via satélite. São apenas 600 quilômetros, no conjunto, nada.

Nesse ponto parece que ele pensa como Bolsonaro.

Levi Vasconcelos

Levi Vasconcelos é jornalista político, diretor de jornalismo do Bahia.ba e colunista de A Tarde.