Publicado em 07/08/2017 às 09h07.

Dauster se diz ‘preocupado’ com cobrança de IPTU do metrô

Secretário da Casa Civil afirmou que a prefeitura tem “priorizado o caixa municipal em relação à condição de pagamento da população de Salvador”

Rodrigo Daniel Silva / Rodrigo Aguiar
Foto: Rodrigo Aguiar/bahia.ba
Foto: Rodrigo Aguiar/bahia.ba

 

O secretário estadual da Casa Civil, Bruno Dauster, criticou, na manhã desta segunda-feira (7), a decisão da prefeitura de Salvador de cobrar, no próximo ano, o pagamento do Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana (IPTU) de equipamentos públicos, quando concedidos em parceria público privada (PPP), entre eles, as estações do metrô, geridas pelo grupo CCR.

“Recebo com preocupação [a decisão], porque tudo que você coloca como tributo sob o transporte público termina em custo para os usuários. […] Uma avenida onde o IPTU é muito caro, como é a da Paralela, a Bonocô, a BR, você vai onerar o preço da passagem pago pelo usuário. Isso é uma política incorreta. Discordamos radicalmente”, condenou Dauster, em entrevista ao bahia.ba, durante a visita do governador Rui Costa (PT) a quatro novas estações do metrô.

O titular da Casa Civil afirmou ainda que, enquanto a governo tem desonerado o custo para os usuários do transporte público, a prefeitura tem “priorizado o caixa municipal em relação à condição de pagamento da população de Salvador”.