Publicado em 07/03/2019 às 17h49.

De olho em 2020, ACM Neto turbina secretarias de Bruno Reis e Leo Prates

Em projeto enviado à Câmara, prefeito promove alterações em pastas chefiadas por possíveis candidatos à sucessão

Rodrigo Aguiar
acm neto leo prates bruno reis
Foto: Reprodução / Facebook

 

Em projeto enviado à Câmara Municipal, o prefeito de Salvador, ACM Neto, turbina as secretarias comandadas por Bruno Reis, seu vice-prefeito e apontado como candidato natural à sucessão, e de Leo Prates, outro nome do grupo político que poderia concorrer ao Thomé de Souza.

Na Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seinfra), pasta chefiada por Bruno, a administração municipal propõe a criação de diretoria e gerência para atendimento das ações relativas ao saneamento básico.

Atualmente, a Seinfra tem em sua estrutura organizacional o Conselho Gestor do Fundo Municipal de Saneamento Básico. Conforme o texto, serão criados um cargo de diretor e um de gerente na secretaria.

A criação de cargos é maior, entretanto, na Secretaria Municipal de Promoção Social e Combate à Pobreza (Semps), que teria sua sigla alterada para Sempre.

A prefeitura propõe a criação de 66 cargos comissionados e a exclusão de 57 postos na secretaria de Prates.

Além disso, o ex-presidente da Câmara passaria a ter sob sua responsabilidade as políticas públicas relacionadas aos direitos das pessoas com deficiência – com o Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência – e à proteção e defesa dos animais domésticos e silvestres.

Atualmente, o conselho é ligado ao Gabinete do Prefeito e as políticas para os animais à Secretaria Municipal de Ordem Pública (Semop).

Por outro lado, a Sempre deixaria de ter relação com os Conselhos Tutelares, que passariam à Secretaria Municipal de Políticas para Mulheres, Infância e Juventude (SPMJ).

Conselho LGBT – No projeto, também está prevista a criação do Conselho Municipal de Promoção e Defesa dos Direitos de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (CMLGBT), que teria como objetivo “garantir o cumprimento dos direitos e a representação da população LGBT na definição das políticas públicas para o segmento”. O órgão seria vinculado à Secretaria Municipal da Reparação (Semur).

PUBLICIDADE