Publicado em 19/04/2017 às 10h03.

Discutir abuso de poder é brecar a Lava Jato? Não. Mas assim, parece

O xis da questão é que o atual Congresso, bombardeado de acusações de corrupção, perdeu a legitimidade para discutir qualquer assunto que vá afetar profundamente a vida dos brasileiros

Levi Vasconcelos

Frase da vez

“A justiça sobre a força é a impotência; a força sem justiça é tirania.”

Blaise Pascal, filósofo, teólogo e matemático (1623-1662)

Procurador do Ministério Público Federal e coordenador da força tarefa da Operação Lava Jato, Deltan Dallagnol (Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)
Procurador do Ministério Público Federal e coordenador da força tarefa da Operação Lava Jato, Deltan Dallagnol (Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)

 

O procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Operação Lava Jato, postou vídeo nas redes sociais para bradar uma coisa que ele sempre diz: o projeto que criminaliza o abuso de autoridade é, na visão dele, uma tentativa de frear a Lava Jato.

Ele pede que a população se manifeste. E viralize a sua indignação.

Pois vamos à nossa manifestação:

Não é bem como o procurador diz. O Congresso pode discutir esse projeto e qualquer outro. O xis da questão é que o atual Congresso, tão bombardeado de acusações de corrupção, perdeu a legitimidade, a moral, para discutir qualquer assunto que vá afetar profundamente a vida dos brasileiros, principalmente aqueles que dizem respeito aos congressistas acuados pelo Ministério Público.

Em suma, os congressistas perderam a moral.

O melhor para o país seria a renovação da representação política dentro de uma nova ordem, que elimine o dinheiro que jorrava das empresas.

Um novo Congresso estaria investido da liberdade ética para tratar do que bem entendesse. O procurador Deltan está certo se o assunto for analisado pelas circunstâncias. Como está, fica a sensação de que os parlamentares estariam advogando em causa própria. E é o que querem, de fato.

Mas convém lembrar que a situação do Brasil, com o escancaramento de um esquema corrupto de cabo a rabo, é possível porque estamos em uma democracia. E é nela que haveremos de buscar as saídas para a construção de um tempo em que até os excessos das autoridades possam ser institucionalmente questionados.

E por que não?

Levi Vasconcelos

Levi Vasconcelos é Jornalista político, Diretor de Jornalismo do Bahia.ba, e titular da Coluna Tempo Presente do Jornal A Tarde.