Publicado em 20/07/2018 às 15h40.

Em assembleia, professores municipais mantêm greve

De acordo com a APLB, a pressão da categoria teria funcionado e feito com que a prefeitura voltasse a negociar

Juliana Almirante
Foto: Divulgação/ APLB
Foto: Divulgação/ APLB

 

Os professores da rede municipal de Salvador decidiram manter a greve da categoria, que já dura 10 dias, em assembleia realizada nesta sexta-feira (20), Ginásio dos Bancários.  De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado da Bahia (APLB), a pressão da categoria teria funcionado e feito com que a prefeitura voltasse a negociar.

“Vai voltar a negociar sim. Porque nós buscamos essa negociação. Não era possível  a gente manter essa quebra de braço. Há uma possiblidade grande de termos uma reunião na terça-feira (24)”, disse ao bahia.ba, a dirigente municipal do sindicato, Elza Melo.

A possível reunião de negociação ainda não tem local e horário definido. Antes disso, na segunda-feira (23), os professores marcaram um ato conjunto com o Sindicato dos Servidores Municipais (Sindseps), na Praça Cayru.

Depois disso, na quarta-feira (25), a categoria se reúne em mais uma assembleia no Ginásio dos Bancários, que pode avaliar novos rumos do movimento.

Na última segunda-feira (16), o secretário de Educação, Bruno Barral, chegou a prever que a greve terminaria essa semana e disse que o Executivo estaria aberto “para qualquer tipo de negociação com os professores. Antes disso, no último dia 13, ele chegou a falar, em nota enviada à imprensa que só voltaria “a negociar com o fim da greve”.

Mais notícias