Publicado em 11/03/2019 às 14h51.

Fábio Nogueira diz ter sido vítima de ‘racismo religioso’ no TRE-BA

Segurança o teria forçado a tirar o boné que usava, nesta segunda-feira (11), na chegada ao TRE

Redação
Foto: Roberto Viana/ Ag. Haack/ bahia.ba
Foto: Roberto Viana/ Ag. Haack/ bahia.ba

 

O ex-candidato a prefeito de Salvador pelo PSOL, Fábio Nogueira, disse ter sido constrangido por um segurança do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-BA) a tirar o boné que usava, nesta segunda-feira (11).

“Mesmo diante da explicação de que sou do candomblé e o Estado é laico, o segurança insistiu que eu retirasse o boné”, escreveu em sua página oficial no Instagram.

Fábio Nogueira afirmou que foi até a Ouvidoria do TRE prestar uma reclamação.

“Nenhum órgão público ou privado pode desrespeitar o direito constitucional a liberdade religiosa. Salvador é a cidade mais negra fora da África e o candomblé parte indelével de sua cultura. Tal atitude pode ser considerada como racismo religioso. Cubro a cabeça em respeito a minha religião e ao meu Orixá. Não é o racismo institucional que vai definir como devo cultuar o meu sagrado”, acrescentou.

 


Visualizar esta foto no Instagram.

Hoje estive com a presidenta municipal do PSOL Salvador e militante do Círculo Palmarino, Cris Barros, no TRE Bahia. Ao chegar na portaria foi constrangido pelo segurança a retirar o boné que uso por preceito religioso já que estou recém iniciado no candomblé. Mesmo diante da explicação de que sou do candomblé e o Estado é laico, o segurança insistiu que eu retirasse o boné. Se estabeleceu um conflito até que nos dirigimos a Ouvidoria do TRE/BA (onde fomos muito bem atendidos) e registramos ocorrência. Aguardamos providências do TRE/BA para que situações como estas não se repitam. Nenhum órgão público ou privado pode desrespeitar o direito constitucional a liberdade religiosa. Salvador é a cidade mais negra fora da África e o candomblé parte indelével de sua cultura. Tal atitude pode ser considerada como racismo religioso. Cubro a cabeça em respeito a minha religião e ao meu Orixá. Não é o racismo institucional que vai definir como devo cultuar o meu sagrado. #intolerânciareligiosa #racismoinstitucional #respeitoaoestadolaico #respeitemeuaxe

Uma publicação compartilhada por Professor Fábio Nogueira (@professorfabionogueira) em

PUBLICIDADE