Publicado em 16/04/2018 às 13h54.

Jungmann: Ação de milícias é principal hipótese para morte de Marielle

O ministro lembrou que os casos do sumiço do pedreiro Amarildo e da execução da juíza Patrícia Acioli levaram mais de um mês para serem solucionados

Redação
Foto: Vilson Dias/Agência Brasil
Foto: Vilson Dias/Agência Brasil

 

A principal hipótese da Polícia Civil para o assassinato da vereadora Marielle Franco e de seu motorista Anderson Gomes, no Rio de Janeiro, está ligada à ação de milicianos, disse o ministro extraordinário da Segurança Pública, Raul Jungmann, em entrevista à CBN.

“Eles partem de um grande conjunto de possibilidades e vão afunilando pouco a pouco. Estão, praticamente, com uma ou duas pistas fechadas. Eu diria que, hoje, apenas uma delas e os investigadores têm caminhado bastante adiante. Essa hipótese mais provável é a atuação de milícias no Rio de Janeiro”, afirmou o ministro.

O ministro lembrou que os casos do sumiço do pedreiro Amarildo, em 2013, e da execução da juíza Patrícia Acioli, em 2011, levaram mais de um mês para serem solucionados.

A morte de Marielle e Anderson completou um mês no último sábado (14) e até então nenhum suspeito foi identificado.