Publicado em 15/04/2019 às 17h11.

Justiça determina bloqueio de bens de Alckmin em ação sobre repasses da Odebrecht

Não teriam sido declarados à Justiça Eleitoral R$ 7,8 milhões repassados à campanha do tucano em 2014

Redação
Foto: Marcelo Camargo/Abr.
Foto: Marcelo Camargo/Abr.

 

A pedido do Ministério Público paulista, o juiz Alberto Alonso Muñoz, da 13ª Vara da Fazenda Pública de São Paulo, ordenou o bloqueio dos bens do ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB), informa a Folha. Cabe recurso da decisão.

O magistrado determinou o bloqueio de R$ 39,7 milhões dos investigados. Além de Alckmin, foram alvos da decisão servidores e executivos da Odebrecht: Marcos Antônio Monteiro, Luiz Bueno Júnior, Benedicto Barbosa da Silva Júnior, Fernando Migliaccio da Silva e Hilberto Mascarenhas Alves da Silva.

A ação investiga a prática de improbidade administrativa em repasses da empreiteira para a campanha do tucano em 2014, quando foi reeleito governador.

Não teriam sido declarados R$ 7,8 milhões (R$ 9,9 milhões em valores atualizados) à Justiça Eleitoral.

PUBLICIDADE