Publicado em 18/06/2019 às 09h44.

Masculinidade tóxica, uma campanha anti-machismo

Segundo a Sepromi, a ‘masculinidade tóxica’ é o prenúncio do feminicídio

Levi Vasconcelos

Sabe o que é ‘masculinidade tóxica’? É aquele negócio de se dizer: ‘Homem não chora’. Ou também: ‘Homem tem que ser durão’, atitudes que sugerem uma suposta supremacia masculina sobre as mulheres.

Uma campanha de alerta contra isso foi deflagrada pela Secretaria de Políticas para as Mulheres da Bahia (Sepromi), com outdoors espalhados em casas de quatro comunidades de Salvador: Nordeste de Amaralina, Pernambués, São Caetano e São Cristóvão.

Segundo a Sepromi, a ‘masculinidade tóxica’ é o prenúncio do feminicídio. Segundo a SSP-BA, em janeiro deste ano, foram registradas 980 ocorrências de violência contra a mulher, um crime a cada 45 minutos. É pesado.

Levi Vasconcelos

Levi Vasconcelos é jornalista político, diretor de jornalismo do Bahia.ba e colunista de A Tarde.

PUBLICIDADE