Publicado em 13/06/2019 às 10h43.

Moro teria avisado Dallagnol que processo de Lula continuaria com a Lava-Jato

Conversa divulgada pelo "The Intercept", mostra que procurador e juiz marcaram reunião com a PF para discutir os passos da Lava-Jato

Redação
Foto: Reprodução/Twitter
Foto: Reprodução/Twitter

 

Na noite desta quarta-feira (12), o site The Intercept Brasil divulgou novos trechos da conversa entre o ministro Sérgio Moro e o procurador Deltan Dallagnol, da força-tarefa da Lava-Jato, que indicam que o então juiz do STF antecipou que o processo de Lula deveria continuar com Curitiba. Moro assumiu o caso após a juíza Maria Priscilla Veiga Oliveira, da 4ª Vara Criminal da Justiça Estadual de São Paulo, ter declinado.

“Nobre, isso não pode vazar, mas é bastante provável que a ação penal de SP seja declinada para cá se o LL (Lula) não virar Ministro antes”, diz trecho da conversa, atribuída a Moro.

Deltan agradece o apoio do então juiz do STF e se refere a ele como “um grande líder brasileiro”. O procurador ainda parabeniza Moro pelo apoio popular recebido naquele dia, 13 de março, quando aconteceram manifestações pró-impeachment de Dilma Roussef (PT).

Moro – 20:50:01 – Nobre, isso nao pode vazar, mas é bastante provavel que a acao penal de sp seja declinada para cá se o LL nao virar Ministro antes
Deltan – 22:15:50 – Ok
Deltan – 22:15:55 – Obrigado!
Deltan – 22:19:29 – E parabéns pelo imenso apoio público hoje. Você hoje não é mais apenas um juiz, mas um grande líder brasileiro (ainda que isso não tenha sido buscado). Seus sinais conduzirão multidões, inclusive para reformas de que o Brasil precisa, nos sistemas político e de justiça criminal. Sei que vê isso como uma grande responsabilidade e fico contente porque todos conhecemos sua competência, equilíbrio e dedicação.

Dois dias depois da decisão da juíza, no dia 16 de março, Dilma anunciou a nomeação do ex-presidente Lula como ministro-chefe da Casa Civil. De acordo com as mensagens divulgadas pelo The Intercept, às 12h44 deste dia o procurador Deltan pergunta a Moro se ele mantinha a decisão de retirar o sigilo de um grampo telefônico feito no aparelho do ex-presidente. Quatorze minutos depois Moro questiona qual a posição do MPF. Deltan responde com “abrir”. Questiona Moro uma hora depois se ele confirmava que divulgaria a conversa. Às 17h11, Moro respondeu que já decidiu pela abertura.

“Já abri. Mas sigilo ainda está anotado a pedido carlos/PGR”, diz a mensagem.

Em outro trecho, é exibida uma mensagem enviada às 23h53 do dia 16 de outubro de 2015, na qual Dallagnol propõe uma reunião a Moro, do Ministério Público e também com a Polícia Federal. O ministro responde no dia seguinte que seria “oportuno”, e tenta combinar um horário e data com o procurador.

Ao confirmar a reunião no dia 19, Sérgio Moro avisa que foram decretadas novas prisões de executivos da Odebretch. Um dos alvos na época era Marcelo Odebretch, que viria a ser um dos maiores delatores da Lava-Jato.

PUBLICIDADE