Publicado em 11/01/2019 às 16h56.

MPF pede condenação de ex-assessor de Temer em caso de mala com R$ 500 mil

Ministério Público Federal sustenta que o dinheiro era "vantagem indevida" ao ex-presidente

Redação
Foto: Reprodução/Gazeta do Povo
Foto: Reprodução/Gazeta do Povo

 

A Procuradoria da República no Distrito Federal pediu à Justiça Federal em Brasília (DF) a condenação do ex-deputado e ex-assessor do Palácio do Planalto Rodrigo Rocha Loures, no caso da mala com R$ 500 mil que teria recebido da empresa de investimentos J&F, como pagamento de propina.

O Ministério Público sustenta que o dinheiro era “vantagem indevida” ao ex-presidente Michel Temer (MBD), no pedido que a TV Globo teve acesso.

“Restou demonstrado que o réu Rodrigo Santos da Rocha Loures agiu com vontade livre e consciente e recebeu vantagem indevida para Michel Elias Temer Lulia em virtude da condição deste de chefe do Poder Executivo , materializados no valor de R$ 500.000,00 (quinhentos mil reais), além da promessa de prestações semanais , incorrendo na conduta descrita no art 317, c/c art 29, ambos do Código Penal, sendo assim a condenação medida que se impõe”, afirma o procurador Carlos Henrique Martins Lima.

O pedido de condenação foi feito à 15ª Vara da Justiça Federal em Brasília. Devido ao episódio da mala, Loures chegou a ser preso e, depois disso, foi solto. Ele continuou, no entanto, cumprindo restrições como o uso de tornozeleira eletrônica. Em novembro, a justiça determinou a retirada do equipamento, que o monitorava desde 2017.