Publicado em 11/07/2017 às 15h19.

MPF se manifesta por arquivamento de investigação contra Lula

O entendimento da Procuradoria é de que não houve "real tentativa de embaraço" das investigações da Lava Jato por parte do ex-presidente

Redação
Foto: Ricardo Stuckert
Foto: Ricardo Stuckert

 

O Ministério Público Federal no Distrito Federal defendeu o arquivamento de investigação que apurava se o ex-presidente Lula agiu para obstruir a Justiça, conforme informado pelo ex-senador Delcídio do Amaral em delação premiada.

Em depoimento, o ex-parlamentar disse que Lula o convidou para uma reunião no seu instituto, em 2015, junto com os senadores Edison Lobão e Renan Calheiros (ambos do PMDB), para discutir como barrar o avanço da Lava Jato.

Após ouvir Delcídio e os parlamentares mencionados por ele, o procurador da República Ivan Cláudio Marx afirmou não “se vislumbrar no discurso de Delcídio a existência de real tentativa de embaraço às investigações da Operação Lava-Jato”.

Sobre a afirmação de Delcídio de que, “na prática o efeito pretendido era o de embaraçar as investigações da Lava Jato, que essa mensagem não foi passada diretamente, mas todos a entenderam perfeitamente”, a Procuradoria entendeu tratar-se de uma interpretação unilateral do delator, não confirmada pelos outros participantes do encontro no Instituto Lula.

O pedido de arquivamento do Procedimento Investigatório Criminal (PIC) deverá ser analisado pelo juízo substituto da 10ª Vara Federal de Brasília, onde também corre o processo contra Delcídio e Lula pelo possível crime de “embaraço à investigação”, que teria ocorrido com a compra do silêncio do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró.